quarta-feira, 23 de março de 2016

Esfalerite a "Mil Caras"

  No seguimento da matéria abordada nas aulas prática da cadeira de Recursos Minerais e Impacte Ambiental, do ramo de Recursos Naturais, hoje trago algumas informações sobre um mineral muito importante para a extracção de Zinco (Zn), a Esfalerite (ZnS).

Esfalerite Amarela
http://www.mindat.org/photo-253687.html

 Este mineral conhecido por "Mil Caras", por apresentar variadas cores e aspectos frequentemente muito diferentes dos outros minerais pertencentes ao seu grupo. Em alguns casos o seu aspecto translúcido mais parece pertencer ao grupo dos minerais translúcido. Aliás o seu nome Esfalerite vem da palavra grega "sphaleros" falível ou seja que leva à falha, ao erro, e também é designado por "Blenda", palavra que deriva do Alemão "Bleander" que também tem um significado próximo de enganador ou cego.



Esfaleite Negra
http://www.jewelsforme.com/gem_and_jewelry_library/sphalerite

  Segundo o Dana 8th ed a Esfalerite pertence ao grupo dos Sulfuretos. E a sua génese está associada a veios hidrotermais, também ocorre em calcários e geralmente com GalenaNão raramente ocorre sob a forma de cristais euédricos bem formados com forma externa e também sob a forma granular sob a forma subédrica em cristais na matriz. A sua baixa dureza 3,5-4,0 na escala de dureza de Mohs impede que seja um bom mineral para o usa da joalharia porém, é magnífico para coleccionadores.  

 Possui brilho adamantino, resinoso ou gorduroso e cores variadas desde Castanho, Amarelo, Preto,Vermelho e Verde. Cristaliza no sistema cúbico (ou isométrico) com os elementos de zinco e enxofre tetraedricamente coordenados, pelo que ao ser visto no microscópio de luz reflectida em os nicóis cruzados estará permanentemente extinto, porém é muito frequente ter reflexões internas muito particulares e de várias cores como amarelo, castanho, laranja, etc., que se podem ver mais adiante.



Sendo comum no mundo inteiro países como: Alemanha, USA ,Bulgária, Rússia e Canadá têm dito destaque.

Esfalerite em superfície polida do Departamento
de Geologia da Faculdade de Ciências da UL

Esfalerite vista ao microscópio de luz
reflectida em nicóis paralelos
Esfalerite vista ao microscópio de luz
reflectida em nicóis cruzados, com reflexões internas

Sem comentários:

Enviar um comentário